| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Conexão Ciência
Desde: 15/04/2004      Publicadas: 835      Atualização: 20/11/2011

Capa |  Agenda  |  Editorial  |  Entrevista  |  Estante  |  Expediente  |  Notas  |  Notícias  |  Reportagem  |  Reportagem Especial  |  Reportagem Especial


 Entrevista
  17/08/2008
  2 comentário(s)


Conheça as vantagens e desvantagens do parto normal e da cesárea
Segundo professor de obstetrícia da UEL, o parto natural é a melhor opção e só deve ser substituído pela cesariana em situações específicas de risco
Conheça as vantagens e desvantagens do parto normal e da cesáreaEdição: Vitor Oshiro
Pauta e Reportagem: Bruna Komarchesqui


Recentemente, o Ministério da Saúde lançou uma campanha a favor do parto normal, numa tentativa de diminuir o alto número de cesarianas desnecessárias realizadas no país. Segundo informações da Campanha Nacional de Incentivo ao Parto Normal, lançada em 11 de maio desse ano, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que a cesárea não ultrapasse 15% dos casos, no Brasil, a média é de 43% de cirurgias, podendo chegar a 80% entre as mulheres que contam com plano de saúde. Além dos riscos à saúde da mulher e do bebê, os partos desnecessariamente realizados com intervenção cirúrgica oneram o Sistema Único de Saúde (SUS), pois as cesáreas sempre são mais caras que os partos normais.
A Assessoria de Comunicação do Hospital Universitário (HU) de Londrina informa que, durante o primeiro semestre, dos 423 partos realizados, mais de 300 foram cesarianas. O médico e professor de obstetrícia do HU Evaldir Bordin Filho - graduado em Medicina pela UEL e com Residência Médica também na UEL - explica que esse número se deve ao fato do HU ser um hospital de referência na região: "É diferente de um hospital geral, em que você tem pacientes de alto risco e de baixo risco. Aqui nós só temos pacientes de alto risco. Então, o índice de cesáreas é fora da realidade".

Conexão Ciência: Colocando os prós e contras em uma balança, o que é melhor: parto normal ou cesárea?
Dr. Evaldir Bordin Filho: Na verdade, o parto normal tem muitas vantagens, que são: a recuperação rápida da paciente, a volta de todos os órgãos internos " do útero, que estava aumentado e depois volta para o tamanho normal -, a interação mãe e filho que é mais rápida - você ganha o nenê, corta o cordão, já coloca no peito da mãe e já pode até amamentar, o que na cesárea dificulta, porque ela está anestesiada e é mais complicado. A interação mãe e filho é muito mais rápida no parto normal. E a cesariana tem um risco maior de infecção, que não tem no parto normal. O que é mais rápido, vamos dizer, é a dor do trabalho de parto, que dura menos na cesariana, só que ela vai ter a dor depois, da cirurgia e do corte.

Conexão Ciência: É possível dizer que o parto normal ainda é o melhor?
Dr. Evaldir Bordin Filho: O parto normal ainda é o melhor, é o natural.

Conexão Ciência: Em quais casos a cesariana é realmente necessária?
Dr. Evaldir Bordin Filho: Nós temos algumas indicações absolutas, como: sofrimento fetal, prolapso de cordão (quando sai o cordão antes da criança), quando a placenta está baixa, quando há uma desproporção e a cabeça da criança é maior que a bacia da mãe e quando há descolamento prematuro da placenta.

Conexão Ciência: É possível esperar o início do trabalho de parto para fazer o diagnóstico de cesariana?
Dr. Evaldir Bordin Filho: Depende muito do caso. Em alguns " como quando a criança é muito grande - nós já fazemos antes. Em outros " como no caso de sofrimento fetal - é durante o trabalho de parto que vamos fazer o diagnóstico e indicar a cesariana

Conexão Ciência: Uma mulher que já fez cesariana pode fazer parto normal?
Dr. Evaldir Bordin Filho: Com uma cesariana anterior, é possível que o segundo parto seja normal. Quando a mulher já fez duas cesáreas anteriores, da terceira vez nós fazemos cesariana porque o risco de romper o útero é maior.

Conexão Ciência: Existe algum limite de cesarianas que uma mulher pode fazer?
Dr. Evaldir Bordin Filho: Quanto mais você faz cesariana, mais arriscado fica, porque o local que vai cortando fica cada vez mais fino e a chance de romper o útero é maior. Nós recomendamos que três cesarianas seria o máximo, mas tem gente que tem quatro, cinco e, às vezes, não acontece nada.

Conexão Ciência: O que tem sido feito aqui no HU para diminuir o número de cesáreas?
Dr. Evaldir Bordin Filho: Aqui no HU é complicado, porque é um hospital de referência na região, então, todas as patologias vêm para cá. Na maioria dos casos de patologia, é preciso realizar cesariana. É diferente de um hospital geral, em que você tem pacientes de alto risco e de baixo risco. Aqui não. Aqui nós só temos pacientes de alto risco. Então, o índice de cesáreas é muito maior, é fora da realidade.

Conexão Ciência: Muitas mulheres que já fizeram parto normal relatam que o bebê nasceu roxo, o que seria um sinal de que a criança quase passou da hora de nascer. Isso realmente acontece?
Dr. Evaldir Bordin Filho: Não, na verdade todos os nenês nascem roxinhos. Isso acontece porque eles estão dentro de uma cavidade que é quentinha e, de repente, saem num tempo que é frio. Eles nascem roxos e logo eles recuperam a coloração cor-de-rosa novamente. O que acontece é que existe uma data provável do parto, que é 40 semanas. Pode nascer duas antes, ou duas depois. Quando nós falamos que a data provável é dia 20, se não nascer até dia 20, a paciente fica desesperada. E, na verdade, ela tem mais duas semanas posteriores à data provável do parto. Neste tempo, nós vamos monitorando e ela volta a ser consultada. Nós temos o exame de tococardiografia, que é escutar o coraçãozinho do nenê por 20 minutos e uma série de exames que nos dão a tranqüilidade de esperar um pouco mais.

Conexão Ciência: Outro medo das mulheres em relação ao parto normal é a dor. Ultimamente, o chamado parto humanizado está ganhando espaço. Como ele funciona?
Dr. Evaldir Bordin Filho: O parto humanizado não tira a dor, você apenas pode escolher alguém que te acompanhe durante o trabalho de parto e que possa assistir seu parto. Existem alguns elementos que podem ser usados, como a bola - uma bola de plástico grande, que a paciente senta em cima e fica se movimentando no sentido vertical, para que a força da gravidade ajude o nenê a descer mais rápido, a nascer mais rápido -, a massagem nas costas para melhorar um pouco a dor. Mas parto humanizado não significa parto sem dor.

Conexão Ciência: Mas esses procedimentos não diminuem a dor?
Dr. Evaldir Bordin Filho: Não, a dor não diminui. O que existe é a analgesia de parto, que nós fazemos com mais ou menos sete centímetros de dilatação, mas até sete centímetros você vai sentir dor. Não existe parto indolor. O que há é o limiar de dor da paciente. Existem pacientes que sentem mais dor, outras menos dor. Algumas já chegam para trabalho de parto dizendo "ah, estou com uma dorzinha", quando você vê está quase nascendo o nenê. Têm pacientes que berram desde o início. Com um centímetro de dilatação, já apresentam muita dor. O limiar de dor é muito pessoal.


Saiba mais: http://portal.saude.gov.br/saude/visualizar_texto.cfm?idtxt=20911
Assista ao vídeo da campanha do Ministério da Saúde: http://comunidade.bebe2000.com.br/media/p/437.aspx

FOTO: Dr. Evaldir Bordin Filho afirma que o parto normal ainda é a melhor opção
Crédito: Bruna Komarchesqui
Ano 5 - Edição 47 -17/08/2008



  Mais notícias da seção Saúde no caderno Entrevista
15/06/2008 - Saúde - Transplante de pele: uma nova esperança para queimados em Londrina
Médico do Hospital Universitário, responsável pelo primeiro transplante, explica como é realizado o procedimento, suas dificuldades e resultados...
21/10/2007 - Saúde - Vasectomia: uma boa opção para o planejamento familiar
Por ser mais simples e mais barata que a laqueadura, a esterilização masculina aumenta anualmente no país...
13/08/2007 - Saúde - Aids: discussão aberta
Antropóloga analisa o imaginário da AIDS a partir do risco da doença entre os jovens...



Capa |  Agenda  |  Editorial  |  Entrevista  |  Estante  |  Expediente  |  Notas  |  Notícias  |  Reportagem  |  Reportagem Especial  |  Reportagem Especial
Busca em

  
835 Notícias


Notícias
  Projetos
  Projeto do Departamento de Design reúne moda, sustentabilidade e inclusão social

Notas
  Divulgação Científica
  Instituto do Câncer lança programa de prevenção no Twitter

Agenda
  Agenda
  Agenda

Editorial
  Editorial
  Casa Própria, Pedagogia e Anestésicos

Expediente
  Expediente
  Quem trabalha no Conexão Ciência