| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Conexão Ciência
Desde: 15/04/2004      Publicadas: 835      Atualização: 20/11/2011

Capa |  Agenda  |  Editorial  |  Entrevista  |  Estante  |  Expediente  |  Notas  |  Notícias  |  Reportagem  |  Reportagem Especial  |  Reportagem Especial


 Estante

  10/08/2008
  0 comentário(s)


XVI Mesa Temática na UEL discute o Ensino de história.

Evento traz professora da Unicamp, Ernesta Zamboni, para discutir paradigmas da educação

XVI Mesa Temática na UEL discute o Ensino de história.Pauta e Edição: Pauline Almeida
Reportagem: Camila Venceslau


Foi realizada no último dia 20 de Junho no Centro de Letras e Ciências Humanas da UEL (CLCH), a XVI Mesa Temática do Programa em Educação e Work Shop Laboratório de Ensino de História. Para compor a mesa e encaminhar os debates, foram convidadas pelo departamento de Educação as professoras Dras. Magda Madalena Tuma da UEL; Elaine Rodrigues da UEM e Ernesta Zamboni da UNICAMP. Esta liderou a discussão do tema "Diálogos Metodológicos entre a Educação e a História". Estiveram também presentes no local, professores da UEL e alunos de graduação dos cursos de história.

Após o evento a professora da UNICAMP concedeu entrevista ao Conexão Ciência tratando dos assuntos discutidos na mesa. Ernesta Zamboni é graduada em História pela PUC - Campinas, mestre em História pela USP - SP e fez seu doutorado em Educação na UNICAMP, onde atua como professora assistente na Faculdade de Educação. Tem experiência na área educacional com ênfase em Ensino-aprendizagem e já publicou duas coleções de livros didáticos de 1ª a 4ª séries do ensino fundamental; os livros "Digressões sobre o Ensino de História: Memória, História Oral e Razão Histórica"; "Memórias e Histórias da Escola", além de muitos artigos em revistas especializadas em educação.

Conexão Ciência: Como problematiza o ensino de história nas escolas hoje e nos cursos de graduação em história?

Ernesta Zamboni: Na universidade você tem um ensino de história que prepara muito mais o estudante para a produção de conhecimento, leitura e análise dos fatos. Tem uma colocação muito forte para a formação intelectual com relação ao ensino de história para o ensino fundamental e médio (escola básica). O ensino possui duas dimensões: uma é a dimensão formativa para a formação de uma consciência histórica e a dimensão informativa em que são discutidos com o aluno os fundamentos do conhecimento histórico para que ele possa ter um instrumento para se preparar e analisar o seu cotidiano, para que tenha um procedimento de auto-reflexão.

Conexão Ciência: O que deve ser mudado na metodologia de ensino de história?

Ernesta Zamboni: Não gosto da expressão o que tem que ser mudado. Nós deveríamos ter outra concepção do ensino de história. Uma concepção que trouxesse para o homem contemporâneo uma dimensão da sua própria vida e da vida da sociedade. Que este homem conhecesse melhor as relações que são estabelecidas entre presente e passado, tivesse habilidade e pudesse ver o mundo de uma forma mais crítica e analítica. Também é preciso que ele tenha certo preparo para tomar medidas em prol da humanidade.

Conexão Ciência: O que considera importante para a produção de pesquisa?

Ernesta Zamboni: Considero importante levar em conta a seriedade do pesquisador, a escolha do tema e as fontes. Acho que o pesquisador tem que ser muito observador, ir além, ler nas entrelinhas dos textos, descobrir o que não está claro e tem que perceber as evidências. Para isso, alguns procedimentos são importantes: pesquisa, seleção, organização mental, discussão em grupo, saber rever e não aceitar uma única resposta.

Conexão Ciência: Como se dá a construção coletiva de conhecimento?

Ernesta Zamboni: Embora os pesquisadores tenham um conjunto de temas diferentes. Com esse conjunto de temas eles precisam sair das aparências e levar em conta as semelhanças nos estudos do coletivo. O livro que fizemos leva em conta isso ("Digressões sobre o Ensino de História: Memória, História Oral e Razão Histórica").

No primeiro capítulo fizemos três pesquisas diferentes: uma sobre MST, outra sobre processo de aprendizagem e a última sobre ensino de história em Minas Gerais. Nesse conjunto de textos chegamos a um princípio que não foi feito por uma única vertente, mas em três situações distintas.

O outro texto, que está ligado à formação da memória, tem duas pesquisas também diferentes: uma feita com adolescentes e outra baseada nos referenciais que os meios de comunicação podem nos oferecer e disso foi possível fazer um texto. As pessoas pensaram e criaram a memória em várias vertentes.

A construção coletiva é sair da postura de uma única visão monopolizadora e ir para uma visão mais aberta, ampla, mais complexa e que possa estabelecer melhor as relações entre as várias vertentes.


Conexão Ciência: Qual o objeto do ensino de história?

Ernesta Zamboni: É a noção da consciência histórica. Isso é complexo e não tão simples assim. Exige a noção de temporalidade, trabalhar com cultura, cotidiano, conceito de fontes, pensamento analítico, etc.

Conexão Ciência: Como se dá a disputa do mercado de trabalho entre professores de história e historiadores?

Ernesta Zamboni: Há muito tempo o ensino de história era considerado algo secundário, mas hoje com a proposta de se repensar as licenciaturas nos cursos de graduação, estão chamando os historiadores para que também participem desta discussão. O que eu acho é que o pessoal que trabalha com a produção do conhecimento, ao invés de estabelecer um processo de diálogo entre si, está competindo para saber quem conquista o mercado de trabalho. É um processo mercadológico de disputa e não de diálogo.

Conexão Ciência: Quais os projetos que está desenvolvendo na UNICAMP?

Ernesta Zamboni: Eu estou desenvolvendo um projeto voltado para livro didático, sobre o uso e sua aplicação em sala de aula. Tem também um projeto que está sendo desenvolvido em conjunto com o grupo Memória, História e Educação - MEMÓRIA e que analisa o conceito de cidadania que os adolescentes têm. Há outro estudo ligado a uma escola experimental que teve em São Paulo e busca saber como era o ensino de história nesta escola. Também estamos começando mais outro projeto, que procura verificar como a cultura contemporânea por meio da internet se relaciona com o conhecimento histórico.

Legenda: Um dos livros didáticos produzidos por Ernesta Zamboni
Créditos: i.s8.com.br/images/books/cover/img4/225204.jpg

Ano 5 - Edição 46 -10/08/2008



  Mais notícias da seção História no caderno Estante
22/06/2008 - História - Acontecimentos do ano de 68 são lembrados na comemoração de seus 40 anos
Palestra mostra os impactos da cultura daquela época na sociedade contemporânea...
01/06/2008 - História - Historiadora busca entender a formação da identidade de classe
Professora de Histórica da Uel explica a formação da classe operária através das experiências em Porto Alegre, no fim do século XIX, e fala da situação atual do mundo do trabalho...
19/11/2007 - História - Caminhos históricos do Bosque
O livro "Memória e Cotidiano do Bosque" tem como protagonista esta parte do quadrilátero central de Londrina estabelecido durante a colonização...



Capa |  Agenda  |  Editorial  |  Entrevista  |  Estante  |  Expediente  |  Notas  |  Notícias  |  Reportagem  |  Reportagem Especial  |  Reportagem Especial
Busca em

  
835 Notícias