| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Conexão Ciência
Desde: 15/04/2004      Publicadas: 835      Atualização: 20/11/2011

Capa |  Agenda  |  Editorial  |  Entrevista  |  Estante  |  Expediente  |  Notas  |  Notícias  |  Reportagem  |  Reportagem Especial  |  Reportagem Especial


 Reportagem

  13/05/2007
  0 comentário(s)


Dois pra lá, dois pra cá

Professora que trabalha a dança desde 1979 na UEL coordena projeto de ensino e planeja transformá-lo em projeto de ensino, pesquisa e extensão

Dois pra lá, dois pra cá
Pauta e Reportagem: Giovanni Nobile
Edição: Larissa Ayumi Sato


E tudo começou bem depois do início. O começo foi em abril de 2006, com a formalização do Grupo de Estudos em Dança de Salão, mais conhecido como Gedan's, na Universidade Estadual de Londrina, a UEL. "Minha carga horária estava cheia. Foi quando alguns alunos me procuraram para formar um grupo de estudo em dança. Eu disse que só daria para fazer isso se fosse aos sábados. E não é que eles aceitaram?!" conta a professora de educação física da UEL, Lucília Kunioshi Utiyama, mestre em biodinâmica do movimento pela Universidade de São Paulo, a USP.

No começo, existiu o interesse por parte de alguns alunos do Centro de Educação Física e Esporte, o CEFE, da UEL, em aprofundar os temas da disciplina de Dança de Salão. "Os acadêmicos queriam melhorar a performance e o conhecimento ", explica a professora Lucília.

A condição imposta pela professora não foi obstáculo. Desde então o Gedan's, formalizado como projeto de ensino, acontece durante as tardes de sábado, das 13h às 18h, funcionando como um laboratório de vivências práticas e embasamento teórico acompanhado de explicações e aplicações dos conteúdos passados.

E se alguém aí se interessou pelo assunto, vale lembrar: o Grupo de Estudos é voltado somente para os alunos do curso de Esporte e de bacharelado e licenciatura em Educação Física. Mas, sem desânimo, volta-se, agora, ao início de tudo isso.

Em 1979 já existia a atuação da professora Lucília nos trabalhos com dança. Mas, antes, não era com característica de projeto de ensino. Era voltado ao caráter de extensão. De lá para cá, foram muitos rodopios, piruetas e vários passos sincronizados de cha cha cha, forró, samba, bolero, tango... Assim era o projeto "Dança de Salão: Um Meio de Socialização", o qual era aplicado em comunidades carentes de Londrina, além de aulas para funcionários da UEL.

"No ano de 1989, nós montamos um grupo para ensinar funcionários daqui da Universidade. Eles vinham dançar no horário de almoço", lembra Valmor Papi, professor de educação física " na época, aluno " que foi o primeiro instrutor no grupo formado pela professora Lucília.

Dando um salto no tempo e parando em abril de 2006, a boa notícia para as pessoas que não fazem o curso de Esporte ou Educação física: em cada semestre, o Gedan's ministra um curso gratuito de dois meses voltado ao público geral, focado em um determinado ritmo de dança.

" É muito grande a procura por estes cursos. Nós abrimos o curso de manhã e, ao meio dia, restam pouquíssimas vagas. Por isso a divulgação fica só na Rádio Universidade e no jornal Notícia, da UEL ", explica Lucília.

De abril a julho de 2006, a dança ensinada foi o forró. Depois, no segundo semestre, foi o samba de gafieira. Um novo grupo começou agora, em maio, para aprender a dançar tango. "No curso a gente quer ensinar postura, passos básicos. Não adianta sair por aí só fazendo várias coreografias de forma mecanizada, com passos errados", comenta a professora.

"Na dança, cada um deve ter seu estilo. É a forma livre de se expressar", opina Thiago Lima da Silva, aluno do segundo ano do bacharelado em educação física da UEL e integrante do Gedan's.

E assim, expressando-se através da dança, o Gedan's completou um ano de existência formal como projeto de ensino no dia 24 de abril. E professora Lucília que, no começo, não acreditava que os alunos iriam se dispor a vir aos sábados para o Grupo, agora projeta. "vou protocolar o pedido de prorrogação do projeto por mais 24 meses e fazer a transformação dele de projeto de ensino para projeto integrado de ensino e extensão, coisa que já acontece. Nós só vamos formalizar tudo".

Mas professora Lucília não pára por aí. Ela já adiantou que quer ter fôlego para modificar o Gedan's e torná-lo um projeto tripé, com características de ensino, extensão e pesquisa. "Se for analisar, isto também já acontece. Muitos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) foram pesquisados a partir do nosso grupo. A minha batalha é esta, além da verba. Porque todo gasto acaba saindo do bolso dos próprios alunos, como viagens, por exemplo. Pesquisa tem bolsa, extensão tem bolsa, mas porque ensino não tem?", questiona.

Lucília Kunioshi Utiyama reclama, pois, durante este primeiro ano de vida oficial do Gedan's, o grupo fez 22 apresentações em Londrina e região, além de apresentação em Dracena, no interior paulista com despesas divididas entre os alunos. "Nosso grupo atua em duas ações diferenciadas. Uma é voltada para o ensino e aprendizagem da dança com discussão e reflexão sobre diferentes metodologias. A outra ação é voltada à coreografia para nossa divulgação. E todo custo com locomoção sai do bolso dos próprios alunos."

Mesmo com gastos, eles não desanimam. "No começo tínhamos 22 alunos e hoje estamos com 80, sem contar na lista de espera", fala, orgulhosa, a professora Lucília que ainda diz ter observado grandes mudanças na vida social dos alunos.
"O grupo melhorou aspectos biopsicossociais dos integrantes. Além de melhorias proporcionadas pela atividade física, a auto-estima e liderança de muitos alunos também têm melhorado. E é isto que me motiva a vir aos sábados durante a tarde para o Gedan's em vez de ir pra uma piscina tomar sol", dá seu depoimento a professora Lucília. Ela acredita que o trabalho consistente ainda resulta em grandes potenciais na pesquisa e ensino da dança de salão.

Rita de Cássia Paes, aluna de licenciatura do terceiro ano de Educação Física quer seguir o caminho da pesquisa e se tornar profissional na área da educação. Ela pretende levar a dança às escolas como conteúdo de Educação Física, coisa que pouco acontece atualmente.

E pensar que tudo isso começou bem depois daquele início em 1979. Agora, em 2007, não se pode mais usar a frase "bobeou, dançou". Hoje, parece que na realidade quem bobeia é quem não dança.

Foto: Giovanni Nóbile
Legenda: símbolo Gedan's.

Ano 4 - Edição 7 - 13/maio/2007



  Mais notícias da seção Projetos no caderno Reportagem
17/08/2008 - Projetos - Docente apresenta meios alternativos para solucionar conflitos judiciários
Projeto finalizado no início do ano aborda mecanismos que podem acelerar o aparelho jurídico...
26/04/2008 - Projetos - Aula de hoje: RAP na escola
Pesquisadores discutem a linguagem urbana como auxiliar na criação de um novo método de ensino...
05/04/2008 - Projetos - Uma nova forma de consumir café
Projeto de pesquisa da UEL transforma fruto normalmente consumido como bebida em geléia com propriedades funcionais ...
05/11/2007 - Projetos - Geografia e Internet
Professores de Geografia da Universidade Estadual de Londrina utilizam páginas da Internet como uma ferramenta a mais no ensino. Alunos também são incentivados a manter portfolios em forma de blogs...



Capa |  Agenda  |  Editorial  |  Entrevista  |  Estante  |  Expediente  |  Notas  |  Notícias  |  Reportagem  |  Reportagem Especial  |  Reportagem Especial
Busca em

  
835 Notícias